Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2015
28.12.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Pititi.-Arte-na-rua.jpg

 

 

As obras do Museu Nacional de Arte Antiga, expostas nas ruas de Lisboa, vão a leilão no Dia de Reis.  

O leilão organizado pelo Palácio do Correio Velho levará à praça as reproduções das obras-primas do Museu Nacional de Arte Antiga, exibidas nas ruas de Lisboa, durante a iniciativa “ComingOut” – um total de 31 quadros expostos nas zonas do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real. Integrado no projecto “Vamos pôr o Sequeira no Lugar Certo”, o leilão pretende angariar fundos para a compra da pintura “A Adoração dos Magos”, do português Domingos António de Sequeira (1768-1837), um importante testemunho da História da Arte Portuguesa.  

Um total de 23 obras e, eventualmente, também as quatro que foram levadas para o Laranjeiro, uma história que ficou conhecida como “Robin das Artes”, poderão ser vistas em exposição no Palácio do Correio Velho, de 5 a 8 de Janeiro, das 10h às 13h30 e das 14h30 às 18h30. O preço base de licitação de cada quadro é de 100 euros (foto de António Mendes). CSB




Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015
19.11.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

2015MCG_0007_Trat31_ChildrenofEarlStrafford_VanDyc

O Museu Gulbenkian inaugura duas novas exposições: “Wentworth-Fitzwilliam. Uma colecção inglesa” e “Calouste S. Gulbenkian e o gosto inglês”. A partir de 27 de Novembro.

A primeira apresenta 56 obras de mestres como Anton van Dyck, Canaletto, Claude Lorrain, Sir Joshua Reynolds, Sir Thomas Lawrence, Claude Joseph Vernet, William van de Velde II, Jan van Goyen, Hans Memling, Salomon van Ruysdael e George Stubbs, provenientes de uma das mais importantes colecções privadas de arte do Reino Unido. Uma exposição que reúne sobretudo retractos e paisagens, resultantes de quatrocentos anos de colecção, e que revela alguns dos momentos mais importantes da História de Inglaterra. Thomas Wentworth (1593-1641), 1º conde de Strafford, vice-rei na Irlanda, mais tarde conselheiro-mor de Carlos, e Charles Watson-Wentworth (1730-1782), 2º marquês de Rockingham, foi duas vezes primeiro-ministro do partido Whig, de tendência liberal, e chefe da Câmara dos Lordes, foram os dois principais coleccionadores da família.

Paralelamente é apresentada também a mostra “Calouste S. Gulbenkian e o gosto inglês” que reúne obras de pintura, escultura, gravura, livros e documentação, maioritariamente em reserva e, algumas das quais, mostradas ao público pela primeira vez. Bem como a pintura Retrato de William Keppel, de Sir Joshua Reynolds, oferecida pelo senhor Gulbenkian ao Museu Nacional de Arte Antiga. Em destaque está o “período inglês” de Calouste Sarkis Gulbenkian, que se formou em Engenharia e Ciências Aplicadas, no King’s College, em Londres, onde casou e mais tarde viveu, chegando a obter a nacionalidade britânica.

Exibida pela última vez no Chrysler Museum of Art, em Norfolk, na Virginia, nos Estados Unidos da América, em 2006, estará no Museu Gulbenkian, em Lisboa, de 27 de Novembro a 28 de Março de 2016. CSB

 

 

 

 




Segunda-feira, 9 de Novembro de 2015
09.11.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Chef Andr├® Magalh├úes, Olh├úo, Faro  27

A Comida  Portuguesa a Gostar Dela Própria é um novo projecto que vai às raízes mais tradicionais da nossa gastronomia. Lançando também um olhar moderno com o convite a chefs para recriarem algumas dessas receitas. Tudo online.

O projecto resulta de uma parceria entre o Esporão e o realizador Tiago Pereira. Pode ser visto no Youtube (no canal Esporão & A Comida Portuguesa A Gostar Dela Própria) ou no Facebook (na página com o mesmo nome).

Trata-se de um verdadeiro levantamento etnográfico da gastronomia já que o projecto está já a percorrer o país de lés a lés, e assim continuará ao longo do próximo ano. Com alguma regularidade serão lançados pequenos vídeos a revelar o progresso. Para já e no lançamento estão já cinco vídeos online, que nos falam do Butcho de Monção e da Vila de Ameijoas de Olhão, passando por um Javali Guisado e uma Sopa de Ossos de Suã. Paralelamente, e ao ritmo de um por mês, teremos os episódios onde vários chefs convidados nos mostram a sua “interpretação ”, No total serão 15 episódios representando outras tantas receitas.

Este projecto surge na sequência de um intenso trabalho por parte do realizador numa recolha em tudo semelhante para a música portuguesa, que originou vários documentários para televisão e num projecto “homónimo” (A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria) com o qual o realizador e a herdade do Esporão já tinham inclusivamente colaborado anteriormente. B.L.

 

Vila de Amêijoas por Augusto da Paz, Olhão

 




Quinta-feira, 22 de Outubro de 2015
22.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Crato.jpg

As Pousadas de Portugal acabam de disponibilizar os ‘vouchers’ Check-in, Premium Check-in, Luxury e Gourmet. Se comprados no mês de Outubro têm um desconto de 10%.

É certo que o Natal ainda vem longe, mas há compras que vale a pena serem feitas mais cedo. Para os interessados em oferecer nesta quadra (ou entretanto), ou usufruir de estadias em castelos e palácios portugueses; ou provar as sugestões gastronómicas da autoria dos ‘chef’s’ do Grupo Pestana, os vouchers, válidos para duas pessoas, podem ser uma boa opção.

Com preços que começam nos 71,91 euros (já com os 10% de desconto) para as estadias e 49,40 euros para o Gourmet (que não tem desconto), podem ser adquiridos através da loja online, www.pestana.com/pt/store, onde é explicado o que inclui cada um deles.

As Pousadas de Portugal – num total de 33 - fazem parte do Grupo Pestana desde 2003, que detém também as marcas Pestana Hotels & Resorts e Pestana Collection Hotels. O grupo está em 16 países, entre Europa, África à América. O Pestana Hotel Group ocupa a 125ª posição do “Top 300 das empresas hoteleiras mundiais”, de acordo com a revista norte-americana "Hotels", e em 26º no ‘ranking’ do European Hotel Survey, da revista "Hotel Management International". CSB

 

Image.jpg

 

 

 

 

 




Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015
19.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

_DSC6612.jpg

 

Inaugura hoje um novo hotel de charme em Lisboa, o Palácio do Governador. Situado em Belém, foi a residência dos responsáveis pela Torre de Belém e assenta em antigas ruinas romanas.   

Cinco milhões e meio depois de o Grupo NAU Hotels & Resorts ter pegado no edifício quinhentista, abre o hotel de charme com 60 quartos personalizados, spa com 1.200 m2, piscina ao ar livre, restaurante com cozinha de autor e outros pormenores que não o são. Já que são esses mesmos detalhes que ditam a união entre o passado histórico e o presente contemporâneo e luxuoso deste novo hotel de Lisboa, o Palácio do Governador.

Foi morada dos Governadores da Torre de Belém desde o século XVI. Mas é necessário recuar um pouco mais: a actividade comercial neste local começou muito antes, nos séculos I a V, altura em que terá sido usado pelos romanos como fábrica de molho de peixe romana. As ruinas estão lá e serviram de mote: “redescobrir o requinte e o fausto da gloriosa época dos Descobrimentos, aliando o conforto e elementos de contemporaneidade”. Ao projecto de arquitectura a cargo da dupla Jorge Cruz Pinto e Maria Cristina Mantas foi aliada a decoração e design de interiores projectados por Nini Andrade Silva. 

Detalhes como as tinas de pedra, conhecidas como “cetárias” - da antiga fábrica romana de molho de peixe “garum”, exportado em ânforas para todo o mundo Romano – recebem que entra no pátio de entrada do Palácio do Governador. A recepção e ‘lobby’ situam-se na antiga capela, cujas paredes exibem os azulejos originais restaurados, o coro de madeira e o duplo pé direito.

Mas a história dos Descobrimentos revela-se nos cinco pisos. Quer nos tectos em abóboda do restaurante e em alguns quartos, quer nos arcos espalhados por vários espaços; ou nos lambris de azulejos originais, quer nos elementos decorativos inspirados na porcelana Companhia das Índias. E as dos Romanos também, hotel a dentro, com as ruinas a exibirem-se na piscina interior e noutros locais. O spa com uma decoração contemporânea entrelaça-se nas antigas tradições termais das culturas mediterrânicas e dispõe de uma piscina interior aquecida, com 25 metros, jactos dinâmicos e cromoterapia; sauna; banho turco; três salas de massagens e tratamentos e ginásio. O exterior oferece mais duas piscinas, uma para adultos e outra para crianças, jardim com lago e um terraço com esplanada com vista para a Torre de Belém e para o rio Tejo. 

O restaurante Ânfora é outro porta-estandarte do hotel. Ao leme está o ‘chef’ André Lança Cordeiro, que passou pelos parisienses Relais Louis XIII, Lapérouse e Au Comte de Gascogne, onde conviveu com congéneres estrelas Michelin, e recentemente na Clinique La Prairie, em Montreux.

As salas para eventos e o parque privativo com 130 lugares rematam a oferta deste hotel que é um exemplar único do casamento entre Hotelaria e História de Portugal. CSB

 

corredor.jpg

 

 




Quinta-feira, 15 de Outubro de 2015
15.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Terracota-12.jpg

 

Diz o ditado que se Maomé não vai à Montanha, vem a Montanha a Maomé. É o que sucede: não vamos à China, vêm os Terracotta Army, Guerreiros de Xian a Portugal.

A Alfândega do Porto acolhe uma mostra com mais de 150 réplicas rigorosas dos emblemáticos guerreiros - em dimensões e materiais utilizados e construídas em Xian -, aberta ao público até 11 de Janeiro. A exposição está pela primeira vez em Portugal, depois de ter recebido 850 mil visitantes em Londres, no British Museum, onde alcançou o título de “Exposição com o maior sucesso” daquele espaço museológico. 

Património Mundial da UNESCO desde 1987, os Terracotta Army são uma das maiores descobertas arqueológicas de sempre e foram encontrados na China em 1974. Jaziam numa espécie de vala com 51,3 metros de altura e uma extensão superior a 56 km, na zona Norte de Xian, que foi mandada construir pelo imperador Qin Shi Huang, unificador do império do meio, para ser a sua sepultura há mais de 2.200 anos. Uma obra que empregou mais de 700 mil operários chamados de todas as regiões da China e que resultou no abrigo de milhares de figuras de soldados cavalos e armas em tamanho natural.

Em torno da escavação há um ‘dinorama full color’ do fosso original para dar uma dimensão real das dimensões e a exposição é acompanhada por pormenores interactivos que leva os visitantes numa viagem no tempo. Há ainda uma sala onde é possível assistir a um filme que narra a história do descobrimento do Exército de Terracotta em Março de 1974 por agricultores. Para as crianças há ainda ateliers de arqueologia, barro e pintura, e de caligrafia chinesa que visam dar a conhecer um pouco da cultura chinesa partindo destas esculturas emblemáticas.

A exposição está patente no Centro de Congressos do Porto, no Edifício da Alfândega, no Porto, no seguinte horário: de segunda a sexta, das 10h às 18h, e sábados, domingos e feriados, das 10h às 20h. As entradas têm um custo de nove euros; as crianças dos três aos onze pagam seis euros; e há um bilhete Família (inclui dois adultos e um máximo de três crianças até aos onze anos) por um preço de 25 euros. CSB

 




Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015
21.08.2015 - Por Fora de Série, às 15:27

IPA lateral.jpg

O Museu do Caramulo inaugura este sábado, 22 de agosto, uma exposição genial: "Micro Carros, Grandes Histórias", dedicada aos pequenos automóveis que fizeram história. Incluindo o "Messi", um Messerschmitt KR200, e vários modelos portugueses.

Dizem que os carros não se medem aos palmos. Mas medem. E é precisamente o facto de este automóveis medirem tão poucos que os torna tão interessantes.Chamamos-lhe Micro Carros, do inglês Microcars, embora eles também lhes chamem Bubblecars. O melhor nome é dos franceses. Voiturettes e, se quando olhamos para a história da indústria automóvel temos tendência a olhar para os grandes nomes, os superdesportivos, o facto é que nenhuma história estaria completa sem um bom capitulo dedicado a estes carros. Porque ao longo de todos estes anos, sobretudo em épocas de crise ou entre guerras, a escassez de materiais e de meios disponíveis levou a indústria a ser original na resolução do problema da mobilidade e liberdade das pessoas.

Esta exposição presta a justa homenagem a estes carros, com um modelo com mais de 100 anos, um Peugeot de 1914, mas também quatro micro carros portugueses: um Lusito, dois IPA (incluindo um raríssimo protótipo) e um SADO 550, o primeiro automóvel português a ser produzido em série.

O Museu do Caramulo aproveita ainda a exposição para lançar a acção de crowdfunding "Salvem o Messi", o Messerschmitt KR200 de 1958, um micro carro propriedade do museu a necessitar restauro. Quem aderir poderá vir a ter o seu nome associado ao carro e ganhar uma subida na Rampa do Caramulo no lugar de co-piloto a bordo do "Messi", que é pequenito mas tem muita qualidade. BL




Terça-feira, 18 de Agosto de 2015
18.08.2015 - Por Fora de Série, às 13:45

qta vallado.jpg

Nos dias 19 e 20 de Setembro decorre a primeira Feira do Douro pelos Douro Boys, para provar não só os vinhos mas também todos os produtos gastronómicos que a região tem para oferecer.

É em plena época de vindimas, quando o Douro mais fervilha, que se realiza esta primeira feira organizada pelos Douro Boys. Grupo informal de produtores que tanto tem feito pela promoção da região.Aqui convidaram mais de 20 produtores para dar a conhecer, provar (e comprar) alguns dos segredos mais bem guardados da região. O melhor pão, as frutas, os queijos artesanais, as salsichas picantes durienses, os legumes das hortas, os pastéis de ovos, o azeite ou o mel produzido nas quintas do Vale. Para além, claro, dos vinhos que os Douro Boys produzem. A ideia da Feira será decorrer a cada ano numa das quintas do grupo, que representa a Quinta do Crasto, Quinta Vale Meão, Quinta Vale D. Maria, Niepoort e Quinta do Vallado que recebe, precisamente, a primeira edição. A Quinta é uma das mais antigas e famosas do Douro, construída em 1716 pertenceu a Dona Antónia Adelaide Ferreira e mantém-se ainda hoje na posse dos seus descendentes. Tem também um excelente Wine Hotel onde se pode hospedar. 

A entrada para a feira custa 10 euros/dia e incluí a oferta de um copo Riedel. Mais informações em www.douroboys.com. BL




Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015
14.08.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Quinta-do-Crasto_Piscina.png

 

Uma proposta de descanso na mais antiga região demarcada do mundo e Património Mundial da UNESCO. Mais precisamente na Quinta do Crasto, com visitas e provas vínicas, ou uma tarde na piscina assinada por Souto Moura.

A Quinta está situada na margem direita do Rio Douro, entre a Régua e o Pinhão, numa propriedade com 130 hectares, 70 dos quais ocupados por vinhas. É detentora do Certificado de Excelência atribuído pelo TripAdvisor, um dos mais importantes sites internacionais de viagens. Em 2014, recebeu mais de três mil visitantes, nacionais e estrangeiros. Não se julgue pelos números que é um local barulhento ou agitado, os programas disponíveis têm por filosofia exactamente o oposto: paz e serenidade.

Para quem pretende ficar mais do que um dia, este Enoturismo tem sugestões de passeios na propriedade ou nos barcos Pipadouro, Douro acima ou abaixo. Antes, ou depois, vale a pena saborear uma refeição típica da região, baseada em receitas da família de Leonor e Jorge Roquette – os proprietários – e confeccionada com produtos biológicos da propriedade, como hortícolas, frutas, azeites e os incontornáveis vinhos Quinta do Crasto.

Se o tempo é de passagem, a sugestão é de um passeio pelas vinhas, que inclui as famosas Vinhas Velhas, adega e cave de barricas; seguido de uma prova de cinco vinhos, devidamente acompanhados pela história de cada um.

Em suma, quer seja por umas horas, ou por uns dias, serão momentos de genuinidade na mais antiga região demarcada do mundo, numa paisagem de suster o tempo. CSB

 




Segunda-feira, 10 de Agosto de 2015
10.08.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

 

Sunset-Musical-Ruinas-Tróia.png

 

Música ao final do dia num cenário com mais de dois mil anos de história. Assim vão ser os “Sunset musicais” nas Ruínas de Tróia, todas as quartas-feiras, com entrada livre.

Situadas na península de Tróia, entre o estuário do Sado e a laguna da Caldeira, as Ruínas são o que resta do maior complexo de produção de salga de peixe do mundo romano, conhecido. Construído na primeira metade do século I, desenvolveu-se numa povoação ocupada até ao século VI, calculam investigadores. Os núcleos arqueológicos visitáveis são dois grandes compartimentos com tanques à volta de um pátio – as salgas -, termas, um mausoléu, quatro necrópoles, basílica e um núcleo residencial. Este último, de acordo com as descobertas mais recentes, pertenciam a uma grande casa com rés-do-chão e primeiro andar, que aquando da escavação, exibiam vestígios de mosaicos e pintura mural. Já a Basílica, paleocristã, é dos elementos mais bem conservados e calcula-se que seja de finais do século IV ou início do V.

Actualmente, as ruinas fazem parte do complexo do Tróia Resort, que inclui uma marina, um casino, um campo de golfe, o Aqualuz Suite Hotel Apartamentos, restaurantes, comércio e ‘beach houses’, ‘villas’, apartamentos turísticos e lotes para moradias em frente ao mar.

O programa é o que se segue, com início às 18h: dia 12, Quarteto de Fado Deolinda de Jesus; dia 19, Trio Ricardo Gouveia, com Bossa Nova e ritmos Africanos; dia 26, Trio Guida Palma, para tocar ‘standards’, Bossa Nova e Funk

Na quarta-feira, dia 22, não há ‘sunset’ nas Ruínas, mas a música soará noutros locais do Resort com o Meo Out Jazz - com NBC e o Dj André Henriques -, no Tróia Beach Club, com entrada livre, e um Concerto de Rita Guerra, no Casino, a partir das 22h30. 

 

 




Sexta-feira, 31 de Julho de 2015
31.07.2015 - Por Fora de Série, às 17:40

GamaEspumantesBagaBairrada_72dpi.png

 

A Comissão Vitivinícola da Bairrada acaba de lançar um novo projecto: o “Baga Bairrada”. Sob o lema “Uma região. Uma casta. Um espumante: Baga Bairrada”, pretende salientar as particularidades da região e potenciá-las, em particular no desenvolvimento da casta bandeira, a Baga, de forma a potenciar a produção de espumantes brancos desta casta tinta , os “Blanc de Noirs Baga Bairrada”, e, assim, facilitar também a entrada em mercados internacionais. 

Actualmente, já estão disponíveis no mercado cinco espumantes com o selo Baga Bairrada, todos eles 100% Baga (a percentagem miníma da casta é de 85%, idealmente 100%): Aliança Baga Bairrada Reserva 2013, Quinta do Poço do Lobo Baga Bairrada 2013, Rama&Selas Baga Bairrada 2013 – estas três criadas de raiz para o projecto -, Marquês de Marialva Baga Bairrada 2013’ e ‘São Domingos Baga Bairrada 2008.

A Comissão prevê uma produção, em 2018, de mais de 10% do total anual – o equivalente à comercialização de um milhão de garrafas desta castaCSB

 

 

 




Quinta-feira, 23 de Julho de 2015
23.07.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

MUPI LISBOA.jpg

 

O desafio está lançado: tornar a cidade de Lisboa (e eventualmente Portugal) mais colorida, janela a janela.

 Se tiver passado ontem pela Praça do Município talvez tenha reparado que estava mais colorida do que é costume. Foi precisamente este o local escolhido como ponto de partida da iniciativa Bairros Floridos de Lisboa, um projecto lançado pela Evadream, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, que visa preencher a cidade de flores. Este é apenas o primeiro de vários eventos que vão decorrer nos vários bairros da capital, a partir do mês de Setembro.

 “E se todos os portugueses colocassem flores à janela?”. Foi esta a questão lançada pelos mentores deste projecto, Tó Romano, CEO da Central Models, e Frederico Fezas Vital, CED da associação Terra dos Sonhos. Assim desafiam todos os portugueses a colocar flores nas janelas, varandas, montras e fachadas e a tornar Portugal no país mais florido do mundo. Lisboa é a primeira cidade a aderir à iniciativa, mas há já várias cidades e vilas em todo o país a quererem fazer parte deste movimento.

Ficamos assim mais perto desse desígnio nacional de tornar Portugal na Flórida da Europa. CLM




Segunda-feira, 20 de Julho de 2015
20.07.2015 - Por Fora de Série, às 14:13

ASC_6275-Expo_70_anos_TAP.jpg

 

O MUDE - Museu de Design e da Moda acaba de inaugurar a exposição “TAP Portugal: Imagem de um Povo”, numa altura em que a companhia aérea celebra o seu 70º aniversário. 

A mais recente exposição do MUDE destaca a imagem da TAP desde o 1945 até à actualidade. Em exibição vão estar diversos suportes de comunicação, uniformes, campanhas publicitárias, interiores de aviões, loiças e cutelarias de bordo, bem como propostas de design que não foram concretizadas, exemplares inéditos de esboços, maquetas e artes finais.

As peças, que pertencem, na sua maioria, ao acervo do Museu da TAP, demonstram o contributo do design para a consciencialização coletiva da companhia como símbolo nacional. A evolução da TAP, que contribuiu também para a disseminação da imagem de um povo e de um país, confunde-se assim com a própria história de Portugal.

A entrada da exposição é livre. É possível visitar de Terça-feira a Domingo, entre as 10h00 e as 18h00, até ao dia 1 de Novembro. CLM

 

ASC_6261-Expo_70_anos_TAP.jpg

 




Segunda-feira, 6 de Julho de 2015
06.07.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

504143_1.jpg

 

A pintura está em destaque com importantes obras de Júlio Resende, Batarda e Menez no próximo leilão do Palácio do Correio Velho, que ocorre esta semana, dias 8, 9 e 10 de Julho.

A maior estrela do leilão é a obra Pescador (de Cabo Verde), um óleo sobre tela de Júlio Resende, datado de 1999. Vai à praça por um valor estimado entre os 30 e os 60 mil euros. Mas há mais grandes quadros como um guache sobre papel, sem nome (na foto), da pintora Menez, datado de 1988 ou um acrílico sobre tela "Museo Cartaceo II" de Eduardo Batarda. Ambos com um valor de licitação entre os 20 e os 40 mil euros.

Teremos ainda obras de Cesariny, Cutileiro, Júlio Pomar, Maluda ou Noronha da Costa, num leilão que, na realidade não vive só da pintura.  À praça irão um total de 663 lotes, oriundos maioritariamente da antiga colecção de Paulo Bénard Guedes, antigo governador-geral da Índia portuguesa, da Casa de Peixinhos, em Vila Viçosa e da Quinta de Sant’Anna, em Lisboa. Um espólio bastante heterogéneo que inclui peças de escultura, joalharia, relojoaria e ourivesaria, faiança e mobiliário.

As obras podem ainda ser vistas hoje, numa exposição aberta ao público a partir das 15H00.BL

 

leilão.png

O Palácio do Correio Velho vai realizar também um outro leilão, este online, que decorrerá nos dias 7,8 e 9 de Julho. Mas antes, os 293 lotes poderão ser vistos hoje, dia 6, das 14h30 às 19h.  

Composto por um Álbum de Recordações da segunda metade do Séc. XIX, que inclui os desenhos de D. Fernando, entre outros; autógrafos, entre os quais um de Oliveira Salazar; aguarelas; fotografias; textos; correspondência entre a Rainha D. Amélia e a Rainha D. Maria Pia e outras cartas; poesias; postais; estampas japonesas e partituras de músicas do século XIX, tem uma base de licitação de mil euros. Há também um valioso Manuscrito e que, por isso, se destaca: o lote 166, composto por três volumes, «Regimento do Sancto Officio da Inquisição», do século XVIII, cujo preço parte dos 450 euros.  

As obras do leilão online abarcam áreas como Literatura, Arte, História, Descobrimentos, Expansão Portuguesa no Mundo, Navegação, Contabilidade, Folhetos, Brasil, Café e Cacau, Música, diversas gravuras e lembrando ainda um bonito Álbum de Fotografias e outro Álbum de Recordações. CSB




Quinta-feira, 25 de Junho de 2015
25.06.2015 - Por Fora de Série, às 18:45

Palacio_Nacional_de_Queluz_creditos_Emigus.jpg

 

O Palácio Nacional de Queluz é, amanhã, o palco eleito para a estreia mundial da serenata “L'Isola Disabitata - Serenata per musica”, do compositor David Perez.

O espectáculo, agendado para as 18h na Sala do Trono, é promovido pela Parques de Sintra e será interpretado pelo Divino Sospiro - Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal, sob a direção musical de Massimo Mazzeo e com a participação das sopranos Joana Seara e Francesca Aspromonte, do sopranista Francesco Divito e do tenor Bruno Almeida.

Considerado um dos compositores mais relevantes no panorama musical europeu da segunda metade do séc. XVIII, David Perez, de origem napolitana, foi o compositor da casa real portuguesa entre 1752 a 1778, tendo dirigido a vida musical da corte até à sua morte.

Da obra “L'Isola Disabitata”, escrita expressamente para ser apresentada no Palácio de Queluz – então residência oficial do Infante D. Pedro e da futura rainha D. Maria I – restam hoje apenas duas partituras manuscritas, uma na Biblioteca do Palácio Nacional da Ajuda e a outra na Biblioteca do Conservatorio di Musica San Pietro a Majella, em Nápoles. Os bilhetes para o espectáculo de amanhã custam dez euros e estão à venda nas bilheteiras da Parques de Sintra, online, na FNAC, Worten, El Corte Inglés, MEO Arena, Media Markt e ainda nos postos de Turismo de Sintra e de Cascais. IQ