Segunda-feira, 19 de Outubro de 2015
19.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

_DSC6612.jpg

 

Inaugura hoje um novo hotel de charme em Lisboa, o Palácio do Governador. Situado em Belém, foi a residência dos responsáveis pela Torre de Belém e assenta em antigas ruinas romanas.   

Cinco milhões e meio depois de o Grupo NAU Hotels & Resorts ter pegado no edifício quinhentista, abre o hotel de charme com 60 quartos personalizados, spa com 1.200 m2, piscina ao ar livre, restaurante com cozinha de autor e outros pormenores que não o são. Já que são esses mesmos detalhes que ditam a união entre o passado histórico e o presente contemporâneo e luxuoso deste novo hotel de Lisboa, o Palácio do Governador.

Foi morada dos Governadores da Torre de Belém desde o século XVI. Mas é necessário recuar um pouco mais: a actividade comercial neste local começou muito antes, nos séculos I a V, altura em que terá sido usado pelos romanos como fábrica de molho de peixe romana. As ruinas estão lá e serviram de mote: “redescobrir o requinte e o fausto da gloriosa época dos Descobrimentos, aliando o conforto e elementos de contemporaneidade”. Ao projecto de arquitectura a cargo da dupla Jorge Cruz Pinto e Maria Cristina Mantas foi aliada a decoração e design de interiores projectados por Nini Andrade Silva. 

Detalhes como as tinas de pedra, conhecidas como “cetárias” - da antiga fábrica romana de molho de peixe “garum”, exportado em ânforas para todo o mundo Romano – recebem que entra no pátio de entrada do Palácio do Governador. A recepção e ‘lobby’ situam-se na antiga capela, cujas paredes exibem os azulejos originais restaurados, o coro de madeira e o duplo pé direito.

Mas a história dos Descobrimentos revela-se nos cinco pisos. Quer nos tectos em abóboda do restaurante e em alguns quartos, quer nos arcos espalhados por vários espaços; ou nos lambris de azulejos originais, quer nos elementos decorativos inspirados na porcelana Companhia das Índias. E as dos Romanos também, hotel a dentro, com as ruinas a exibirem-se na piscina interior e noutros locais. O spa com uma decoração contemporânea entrelaça-se nas antigas tradições termais das culturas mediterrânicas e dispõe de uma piscina interior aquecida, com 25 metros, jactos dinâmicos e cromoterapia; sauna; banho turco; três salas de massagens e tratamentos e ginásio. O exterior oferece mais duas piscinas, uma para adultos e outra para crianças, jardim com lago e um terraço com esplanada com vista para a Torre de Belém e para o rio Tejo. 

O restaurante Ânfora é outro porta-estandarte do hotel. Ao leme está o ‘chef’ André Lança Cordeiro, que passou pelos parisienses Relais Louis XIII, Lapérouse e Au Comte de Gascogne, onde conviveu com congéneres estrelas Michelin, e recentemente na Clinique La Prairie, em Montreux.

As salas para eventos e o parque privativo com 130 lugares rematam a oferta deste hotel que é um exemplar único do casamento entre Hotelaria e História de Portugal. CSB

 

corredor.jpg