Quarta-feira, 14 de Outubro de 2015
14.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

1.jpg

 

Quando o universo árabe chega às ruas portuguesas, a isso chama-se Arabian Days. O ‘souk’ vai estar em Alcântara, de 29 de Outubro e 1 de Novembro - inicialmente marcado para 15 a 18 de Outubro, o evento foi adiado por serem esperadas condições meteorológicas adversas nesta data.

No Largo da Ermida da Capela de Santo Amaro, Alcântara, o ambiente vai ser o de um ‘souk’ árabe com diversas “tendas”: a da gastronomia típica, com o chá de menta e a shisha (cachimbos de água com infusões), e a do artesanato árabe - entre velas, perfumes, bijuteria, tapetes, mobiliário e candeeiros. Mas haverá também espectáculos de dança do ventre, cuspidores de fogo e um encantador de serpentes e a possibilidade de passear de burro, fazer leitura de mãos, tarot e tatuagens de ‘henna’.

Este evento tem ainda uma componente solidária: um euro de cada bilhete reverterá para a Cruz Vermelha Portuguesa, a favor dos refugiados. A entrada no recinto tem um custo de cinco euros por pessoa (é gratuito para crianças até aos seis anos), ou a opção Bilhete Família (dois adultos e dois jovens até aos 16 anos) por 15 euros. Há ainda um passe para os quatro dias que custa 15 euros por pessoa. Os bilhetes estão à venda no local e dias do evento e nas habituais bilheteiras (Fnac, El Corte Inglés, Blueticket, Worten, etc.). O Arabian Days decorrerá nos seguintes horários: dia 15, das 18h às 23h; dia 16, das 18h às 24h; dia 17, das 13h às 24h, e dia 18, das 13h às 22h.

Esta não é uma estreia do evento em Portugal - em 2013 decorreu em Faro e o ano passado, em Sintra -, mas é a primeira vez que o ‘souk’ monta a tenda em Lisboa. CSB

 

2.jpg

 

 

 

 

 




Terça-feira, 13 de Outubro de 2015
13.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

press_6.jpg

 

 

Chama-se Laranja do Algarve - The Best Orange Juice e vende sumo espremido no momento. Para enfrentar o frio haverá vinho quente com laranja e especiarias, bolos e salgados com esta fruta.

É uma espécie de quiosque e está estacionado junto à Torre de Belém. A Piaggio APE 50 transformada neste projecto chegou a Lisboa em Agosto de 2015. As laranjas são compradas directamente aos produtores e entre a colheita e o consumo não decorre mais de uma semana. A ideia teve-a Rui Jorge, economista e jornalista: oferecer aos turistas um produto português, fresco e de qualidade, cuja história se cruza com a nossa própria História dos Descobrimentos - está atribuída aos mercadores portugueses a introdução da laranja doce na Europa e na América do Sul, trazida da China no século XVI. “Apesar de em Portugal não serem valorizadas como tal, as laranjas do Algarve, mais concretamente da região de Silves, são das melhores do mundo”, defende Rui Jorge.

Para que não restem dúvidas sobre a “legitimidade da nossa laranja”, os visitantes recebem um folheto com a história desta fruta e com curiosidades como o nome, “portuguesa”, dado em alguns países onde foi introduzida pelos portugueses. Como, por exemplo, “portokal”, na Bulgária, ou “portokali”, na Grécia.

Faça chuva e o negócio adapta-se. Se até agora foi o sumo fresco e o cocktail “Porto Laranja do Algarve” que reinaram, com as temperaturas a baixarem novas ofertas surgirão. Um vinho quente com laranja e especiarias, feito de acordo com receitas tradicionais alemãs e austríacas, e alguns bolos e salgados com laranja (já servidos em eventos onde a Laranja do Algarve - The Best Orange Juice participou). O sumo fresco mantém-se até porque esta é a época alta da laranja do Algarve. 

Ou faça sol…quando bater à porta a época baixa da laranja, o fornecimento estará garantido através de vários produtores algarvios - como aconteceu nos meses de lançamento do projecto. “Estamos confiantes que conseguiremos vendê-la no Verão, fresca (e não congelada, como fazem os maiores distribuidores), graças à diversificação de variedades cultivadas no Algarve e à gestão que os nossos produtores fazem do tempo de permanência do fruto na árvore”, explicou Rui Jorge.

Até agora, 90% dos clientes têm sido estrangeiros - pouco mais de metade, franceses e italianos. Mas também têm apreciadores do Brasil, Hong Kong, Austrália, Estados Unidos e mesmo do Equador. “São vários os clientes que nos garantiram que nunca beberam um sumo tão bom quanto o nosso”, contou Rui Jorge. E até o cocktail de Porto Branco com Laranja, uma novidade em Setembro, se afirmou como um sucesso. Vinho do Porto que é oriundo da Quinta de Santa Eufémia, um pequeno produtor que, de acordo com a filosofia da empresa, é a base deste negócio. CSB

FLYER-PORTUGUESE-(1).jpg

 

 




Sexta-feira, 9 de Outubro de 2015
09.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

Grand-(24b)_Herald-Bar.jpg

 

Sextas-feiras são sinónimo de música Jazz e Bossa Nova. As Fridays Jazz Nights acontecem no Altis Grand Hotel, em Lisboa, e significam música ao vivo. Ru Vasconcelos, Diogo Santos e Célia Ramos são as vozes que, acompanhadas por acordes de guitarra, dão música todas as sextas-feiras. Até 18 de Dezembro. As Fridays Jazz Nights começam às 19h30 no Bar Herald e, a partir das 20h30, no Restaurante Grill D. Fernando.

No primeiro é possível degustar refeições ligeiras, como Escalope de ‘foie gras’ sobre tosta de brioche e pimenta preta; Presunto Ibérico, manteiga de ovelha, salada de beldroegas; Desfiado de sapateira, ‘pickles’ caseiros e maionese de salsa; ou a sugestão vegetariana, Prego de soja, compota amarga de cebola. Há ainda ‘verrines’ (saladas em versão tapa), de que são exemplos: Verrine de salada César, de tártaro de salmão ou de saladinha de polvo, entre outras. Os gelados artesanais são uma boa opção para rematar a refeição ligeira e, para acompanhar tudo, um dos inúmeros ‘cocktails’.

Já no restaurante, onde a ementa se apresenta mais elaborada, há os pratos clássicos e novidades como Salmão fumado, Salada de citrinos e rebentos; Vieiras coradas com puré de couve-flor, como sugestões de entrada. Para pratos principais e ainda no campo das inovações: Bacalhau de meia cura com grelos, puré de grão e ovo de codorniz; Camarão tigre na grelha com arroz basmati, manga e molho agridoce; Lombinho de porco ibérico com xerém de amêijoas; Naco da vazia maturada 21 dias, esparregado de nabiças e batata, e Perna de cabrito a baixa temperatura, grelos, batata à padeiro e cebolas caramelizadas. Ou duas opções vegetarianas e diversas sobremesas, como uns crepes Suzette, confeccionados à frente dos comensais.

O Altis Grand Hotel fica situado na Rua Castilho, número 11, e foi fundado em 1973 por Fernando Martins. Faz parte de um grupo de seis unidades, todas em Lisboa, que mantém a filosofia empresarial assente em valores familiares; entre o luxo, o design, o charme e a localização priveligiada. CSB

 

 




Quarta-feira, 7 de Outubro de 2015
07.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

1---BMW.jpg

 

 

O evento "200 Clássicos na Avenida da Liberdade" vai juntar em Lisboa a maior exposição de automóveis antigos. É no dia 11 de Outubro.

O CAACA – Clube de Automóveis Antigos da Costa Azul em conjunto com a União de Associações de Comércio e Serviços, que tutela este evento inserido nas comemorações dos seus 145 anos, vai realizar um desfile de duas centenas de clássicos, alguns dos quais verdadeiras relíquias. É o caso de um Ford T de 1910 e outro de 1915 - os dois veículos mais antigos da exposição - e de um Cadillac e um Packard, de 1954, que pertenceram à Presidência da República. Outros automóveis dignos de nota são um Alldays and Onions (1911), um Fiat de 1922, um Chevrolet de 1925, um Hupmobile (1928), um Buick (1929), um Packard (1938), um Rolls Royce de 1938, um Bentley de 1950 e um Cadillac de 1954.

O evento começa com a concentração dos carros antigos no Palácio da Justiça e partirá rumo à Avenida da Liberdade, com percurso pela Rua Marquês de Fronteira, Avenida António Augusto de Aguiar, Avenida Fontes Pereira de Melo e Marquês de Pombal. Os automóveis permanecerão em exposição na Avenida às 17h, hora a que terá início um desfile de encerramento até ao Rossio e de volta ao Marquês de Pombal.

De acordo com a organização, o desfile possibilitará o verdadeiro sentido de “Passeio na Avenida” – que poderá ser percorrida calmamente, com paragens para ver lojas, conversar ou descansar - com o acréscimo de levar a todos os passeantes algumas relíquias automóveis do passado. CSB

 

 

 




Terça-feira, 6 de Outubro de 2015
06.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

The-Yeatman_Esplanada-(4).jpg

 

Outubro é o mês da Oktoberfest, cerimónia tradicional em Munique, agora alargada a toda a Europa. Em Portugal, a Festa da Cerveja também acontece, no dia 8, e vai ser no The Yeatman, no Porto. 

É caso para dizer que no dia 8 e Outubro a tradição não vai ser o que era. Reconhecido internacionalmente e com diversos prémios, nomeadamente pela carta de vinhos que oferece, o Hotel vínico The Yeatman vai deixar o vinho em repouso e vai comemorar a cerveja. O Oktoberfest português terá pronúncia do Norte, numa festa que reunirá 20 produtores nacionais de cerveja artesanal. Amphora, Buja, Burguesa, Cinco Chagas, Gíria, Letra, Mediaevalis, Oitava Colina, OPO74, Post Scriptum Brewery, Sovina, Toira, Vadia, serão algumas das marcas representadas.

A acompanhar, uma ementa com a assinatura do ‘chef’ Ricardo Costa – premiado com uma estrela Michelin – onde constarão hamburgers, pregos de novilho e atum, cachorros com salsichas alemãs, bifanas à moda do Porto, mini francesinhas e leitão.

E apesar do protagonismo estar entregue à cerveja, haverá também um espaço dedicado ao gin e ao sushi. A tradição alemã será assim comemorada à moda do Porto, com música ao vivo e um DJ e também um ‘spa lounge’ para massagens.  

A reserva é obrigatória e poderá ser feita através do telefone 220 133 121/135, email events@theyeatman.com, ou através do site do The Yeatman http://www.the-yeatman-hotel.com/pt/oktoberfest/. O bilhete tem um custo de 65 euros por pessoa e inclui parque de estacionamento. Para grupos superiores a oito pessoas, o bilhete baixa para 60 euros. A Oktoberfest decorre entre as 19h00 e a 01h. CSB

 




Segunda-feira, 5 de Outubro de 2015
05.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

ponta-delgada.jpg

 

É entre 16 e 18 de Outubro que decorre o “Wine in Azores”, um dos maiores festivais nacionais de vinhos e que contará também com 12 ‘chef’s’, três dos quais estrelas Michelin. 

Ponta Delgada recebe, no Parque de Exposições da Associação de Agricultores de São Miguel, a 8ª edição do maior evento empresarial dos Açores. Este ano, sob o tema “Degustar do vinho entre a terra e o mar”, o festival contará com a presença de cerca de 120 produtores - e uma estimativa de 12.500 visitantes aguardados -, degustações de produtos açorianos, ‘showcookings’ e ‘shows’ nas tascas Gourmet. Os 12 ‘chef’s’, entre os quais estão Leonel Pereira, Pedro Lemos e Ricardo Costa, todos distinguidos com uma estrela Michelin, confeccionarão pratos, sobremesas e ‘cocktails’ que os visitantes poderão provar. Haverá ainda provas de destilados, ‘cocktails’, ‘gin’s tasting’ e provas de azeites.

O evento abre no dia 16, às 15h30, e as provas de vinho decorrem das 16h às 22h; dias 17 e 18, as provas começam às 15h e terminam às 21h. CSB

 




Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015
02.10.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

jantar-sensorial.png

 

O olfacto, o tacto, o paladar e a audição vão ser postos à prova num jantar onde a visão fica vedada (pelo menos durante uma parte). Trata-se de um jantar sensorial, que vai acontecer amanhã, no restaurante Al Quimia, do Epic Sana Algarve.

Neste jantar de dia 3 de Outubro a visão é o que menos importa. De olhos vendados, os comensais são convidados a degustar pratos ao som de acordes musicais e aromas que prometem levar numa viagem pelo Barrocal Algarvio, pelas praias de areias brancas e cheiro a maresia, pela fauna e flora da Ria Formosa, até à longínqua Bogotá, na Colômbia, onde se alcançará os paladares quentes e os fumos.

O jantar é composto por cinco momentos distintos e por um menu de dez pratos criados pelo ‘chef’ Luís Mourão. Harmonizações que prometem desafiar, garfada a garfada, sentido a sentido, e surpreender.

A reserva é obrigatória e o jantar Sensorial começa às 20h e tem um custo de 150 euros por pessoa. O Al Quimia fica situado no Epic Sana Algarve, na Praia da Falésia, em Albufeira. CSB

 




Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015
23.09.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

_TVC9260.png

 

Os dois chef’s do El Celler de Can Roca, o melhor restaurante do mundo na lista dos World’s 50th Best Restaurants, vão cozinhar em Lisboa, num jantar único, no dia 27 de Setembro.

É mais uma edição do Origens, o evento do Sangue na Guelra Blood n’Guts, com os dois chef’s executivos Nacho Baucells e Hernan Luchetti a apresentarem um jantar a várias mãos, no novo restaurante Alma do chef Henrique Sá Pessoa. Aliás, o chef Sá Pessoa também participará na elaboração da ementa, com um dos pratos principais, bem como o chef de pastelaria do Alma, Telmo Moutinho, com uma pré-sobremesa. Serão servidos cinco pratos principais, dois snacks de entrada e duas sobremesas, embora o menu se vá manter sem segredo até ao dia do jantar.

Por ser um jantar para um máximo de 40 pessoas a reserva é obrigatória e poderá ser feita através do email reservas@sanguenaguelra.com. O jantar, com água, vinhos e café incluídos tem um custo de 140 euros e começa às 20h, na rua da Anchieta, nº 15, no Chiado. O novo Alma inaugurará apenas no final de Outubro, pelo que será também uma experiência inédita.CSB




Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015
21.09.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

So-far,-so-close_Cindy-Ng-(1).png

 

Uma exposição celebra o Douro vinhateiro, retratando-o com os padrões estéticos do oriente. Uma nova visão para um cenário único, a não perder na Fundação Oriente a partir de 24 de Setembro.

“So Far, So Close” é o nome da exposição da artista macaense Cindy Ng, resultado de uma temporada passada no Douro a convite da empresa de vinhos Lima Smith. A artista, que reparte o seu tempo entre Pequim, Taiwan e Macau (onde é a Presidente da Associação das Artes Visuais) passou uma temporada nas quintas da Covela e da Boavista e, naturalmente, foi a paisagem da região o que a mais impressionou. Tal como os vinhos que decidiu incorporar na obra que ali realizou. Incorporou literalmente já que misturou vinhos do Porto, DOC e Verdes com as tintas convencionais para criar os mais de 22 quadros que agora podemos admirar.

A exposição inclui ainda uma experiência multimédia e imersiva, com a ajuda do seu telemóvel, mas é sobretudo a magnífica reinterpretação deste cenário com os traços pictóricos do Oriente que surpreende.

A exposição estará patente até 23 de Outubro. BL

Tags: ,



Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015
17.09.2015 - Por Fora de Série, às 11:53

 

 

qta-vallado.png

 

É já este fim-de-semana que a Quinta do Vallado recebe a 1ª Edição da Feira do Douro. Organizada pelos Douro Boys e aberta ao público, promete ser um mercado enogastronómico com provas de produtos emblemáticos da região.  

Quinta do Crasto, Quinta do Vallado, Quinta Vale Meão, Quinta Vale D. Maria e Niepoort são os cinco consagrados produtores de vinho da mais antiga região demarcada do Mundo  que constituem os Douro Boys. E agora também os  responsáveis pelo evento que pretende promover os produtos de qualidade da região, alguns dos quais desconhecidos do público em geral, através de provas. Para tal, convidaram mais de 20 produtores das mais variadas áreas e, os vinhos das quintas dos Douro Boys,  estarão também presentes. De pão a frutas, queijos artesanais a salsichas picantes, legumes provenientes de hortas locais a pasteis de ovos, muitos serão os  produtos à prova e à venda.

Se a primeira edição decorre na Quinta do Vallado, já a próxima será numa outra quinta. A ideia original é a de que o evento decorra anualmente, em plena época de vindimas, rodando pelas quintas que fazem parte deste grupo de produtores do Douro e dando também a conhecer o património de cada uma.

A Quinta do Vallado está situada no Peso da Régua, mais precisamente em Vilarinho dos Freires, e estará aberta no dia 19, das 15h às 20h, e no dia 20, das 11h às 18h. A entrada tem um custo de 10 euros por dia e inclui um copo de prova Riedel. Mais informações em www.douroboys.com ou através do email info@douroboys.com. CSB




Segunda-feira, 7 de Setembro de 2015
07.09.2015 - Por Fora de Série, às 13:30

 

Conrad-Algarve_Infinity_Pool.png

 

Que Portugal está na moda, já ninguém duvida. A confirmá-lo estão os World Travel Awards – os óscares da indústria do turismo, divulgados dia 5 de Setembro na Sardenha - que distinguem 14 unidades hoteleiras portuguesas.

É o caso do Conrad Algarve, considerado o “Europe's Leading Luxury Resort & Spa”, pelo 3º ano consecutivo. Os prestigiados prémios World Travel Awards reconhecem as organizações que prestam serviços de excelência aos clientes, no sector de viagens e turismo, há mais de 20 anos.

O Vila Joya é o Melhor Boutique Hotel. Também o Hotel Quinta do Lago, recebeu a distinção de Melhor Resort de Praia. Segue-se a lista com Choupana Hills Resort & Spa, Melhor Boutique Resort; Myriad by Sana Hotels, Melhor Hotel para Negócios; The Vine Hotel, Melhor Design Hotel, Corinthia Hotel Lisboa, Melhor Hotel Ecológico; Bairro Alto Hotel, Melhor Hotel Icónico (landsmark); Monte Santo Resort, Melhor Resort romântico. Foram também considerados os melhores da Europa: o Turismo de Portugal; a TAP na condição de Melhor Companhia Aérea a voar para África e América do Sul e a revista Up Magazine TAP, como melhor revista a bordo. 

Em território nacional, o The Yeatman soma mais um prémio, desta vez como Melhor Hotel Boutique de Portugal. Este prémio faz crescer a lista de distinções nacionais e internacionais que o hotel de Vila Nova de Gaia, com vista sobre o rio Douro, tem vindo a arrecadar, nomeadamente “Best Accommmodation” nos “Wine Tourism Awards”; “Most Excellent City Hotel” pela Condé Nast Johansens; “Best of Award of Excellence” pela Wine Spectator e “Best of Wine Tourism 2014” pela Rede de Capitais de Grandes Vinhedos, entre outros.

Os restantes vencedores na categoria “em solo nacional” são: Pestana Palace, Leading Business Hotel; Corinthia Hotel Lisboa, Conference Hotel; Altis Belém Hotel & Spa, Boutique Hotel; Sheraton Algarve at Pine Cliffs Resort , Family Resort; Vila Vita Park, Green Hotel; Bairro Alto Hotel, Hotel; Troia Design Hotel, Hotel residences; Suite Presidencial do Sheraton Porto Hotel & Spa; Hotel Suite; Pestana Porto Santo & Spa Beach Resort, Resort; Altis Suites, Serviced Apartments; Dunas Douradas Beach Club, Villa Resort e Choupana Hills Resort & Spa, Spa Resort. CSB




Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015
03.09.2015 - Por Fora de Série, às 11:30

mamounia2.jpg

 

Há precisamente um ano regressámos ao La Mamounia em Marraquexe. Com quase um século de existência, este hotel mítico tem sido um dos refúgios preferidos de celebridades ao longo de várias décadas, deixando boas memórias a todos os que o visitam. Hoje recebemos a notícia de que La Mamounia não só foi considerado o ‘Melhor Hotel em África e Médio Oriente’ pelos leitores da edição britânica da prestigiada Condé Nast Traveller, como alcançou uma pontuação global tão elevada que o colocou na primeira posição do Top 100 mundial do ‘Reader’s Travel Awards 2015’, à frente de nomes como The Oberoi Udaivilas, em Udaipur, Singita Grumeti, na Tanzania, Cheval Blanc Saint-Barth Isle de France, nas Caraíbas, ou Le Bristol, em Paris. Como escrevemos na reportagem publicada em Dezembro do ano passado: “La Mamounia é um daqueles hotéis onde é (mesmo) obrigatório dormir pelo menos uma vez na vida.” Catarina Palma




Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015
27.08.2015 - Por Fora de Série, às 18:31

IMG_8113.JPG

 

A Casa da Avó Chiquinha é o local perfeito para acolher os turistas nas festas das sextas-feiras 13, em Montalegre. Esta pequena vila no Parque Nacional da Peneda Gerês celebra com muitas bruxas e suas mesinhas, ao som de música, de peças de teatro e foguetes, todas as sextas-feiras do calendário anual.

A festa é mágica e o cenário, encimado pelo belo castelo de Montalegre, pode tornar-se divertidamente assustador. É uma festividade a não perder, principalmente agora que a Casa da Avó Chiquinha abriu portas. A amabilidade da família Gonçalves, a beleza natural da região e a gastronomia típica do Barroso – onde pontificam os fumeiros, nos quais a Avó Chiquinha é especialista afamada -, tornam incontornável uma visita a estas terras altas.A casa rural tem nove quartos, decorados com o doce e quente toque familiar, onde não faltam as habituais comodidades e uma piscina no exterior. A casa pode ser também alugada por piso e, neste caso, tem uma kitchenette ao dispor dos hóspedes totalmente equipada.

Para noites de bruxas ou simplesmente para disfrutar da beleza da natureza daquela região, a Casa da Avó Chiquinha é um sítio a não perder. S.S.P.

Tags:



Terça-feira, 25 de Agosto de 2015
25.08.2015 - Por Fora de Série, às 14:40

Restaurante Tsubaki 2.jpg

 

Lisboa tem um novo grande restaurante japonês. Fica bem no centro da cidade, no Saldanha e tem nome de flor aristocrata e elegante.

O Sushi pode estar na moda (ainda) mas não é disso que trata o Tsubaki. Ou, pelo menos, não exclusivamente. O Tsubaki é um restaurante de comida japonesa em toda a sua plenitude, com os assados e os grelhados na chapa, as massas e as tempuras. O responsável pela carta é o chef Paulo Morais (ex-Midori, ex-Bica do Sapato, Umai), um dos maiores especialistas desta culinária em Portugal e o único a ter participado no concurso mundial de Sushi em Tóquio, o ano passado.

É sempre bom aprender coisas novas. Sobretudo quando não o esperávamos. E foi por causa deste novo restaurante que aprendemos que fomos nós os portugueses introduzir a Camélia no mundo ocidental. A camélia que foi desde logo adoptada pela aristocracia europeia – e mais tarde por grandes casas de moda – pela sua elegância. Originária de alguns países asiáticos, o nome da camélia na china é sinónimo de chá e no japão, de onde trouxemos os primeiros exemplares em 1543, chamam-lhe. Tsubaki. Precisamente o nome deste restaurante que cria mais uma ponte entre o Japão e Portugal.

O Tsubaki fica no também recente Turim Saldanha Hotel, apesar de ter uma entrada independente. Está aberto ao almoço e ao jantar durante a semana e apenas ao jantar nos fins-de-semana. Os preços variam entre os 15 e os 25 euros por pessoa. BL

 

Restaurante Tsubaki 4.jpg




Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015
21.08.2015 - Por Fora de Série, às 15:27

IPA lateral.jpg

O Museu do Caramulo inaugura este sábado, 22 de agosto, uma exposição genial: "Micro Carros, Grandes Histórias", dedicada aos pequenos automóveis que fizeram história. Incluindo o "Messi", um Messerschmitt KR200, e vários modelos portugueses.

Dizem que os carros não se medem aos palmos. Mas medem. E é precisamente o facto de este automóveis medirem tão poucos que os torna tão interessantes.Chamamos-lhe Micro Carros, do inglês Microcars, embora eles também lhes chamem Bubblecars. O melhor nome é dos franceses. Voiturettes e, se quando olhamos para a história da indústria automóvel temos tendência a olhar para os grandes nomes, os superdesportivos, o facto é que nenhuma história estaria completa sem um bom capitulo dedicado a estes carros. Porque ao longo de todos estes anos, sobretudo em épocas de crise ou entre guerras, a escassez de materiais e de meios disponíveis levou a indústria a ser original na resolução do problema da mobilidade e liberdade das pessoas.

Esta exposição presta a justa homenagem a estes carros, com um modelo com mais de 100 anos, um Peugeot de 1914, mas também quatro micro carros portugueses: um Lusito, dois IPA (incluindo um raríssimo protótipo) e um SADO 550, o primeiro automóvel português a ser produzido em série.

O Museu do Caramulo aproveita ainda a exposição para lançar a acção de crowdfunding "Salvem o Messi", o Messerschmitt KR200 de 1958, um micro carro propriedade do museu a necessitar restauro. Quem aderir poderá vir a ter o seu nome associado ao carro e ganhar uma subida na Rampa do Caramulo no lugar de co-piloto a bordo do "Messi", que é pequenito mas tem muita qualidade. BL